segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Anisia Nascimento - educação: CARACTERÍSTICAS DO PORTUGUÊS ARCAICO

Anisia Nascimento - educação: CARACTERÍSTICAS DO PORTUGUÊS ARCAICO: Nada Disto É Novo: «CARACTERÍSTICAS DO PORTUGUÊS ARCAICO : Os traços característicos que diferenciam o português arcaico do português mod...

_________________________________________________________________________





CARACTERÍSTICAS DO PORTUGUÊS ARCAICO



Os traços característicos que diferenciam o português arcaico do português moderno são os seguintes:


FONÉTICA


  • Há grande número de hiatos, devidos à queda de consoante medial sonora, como em aqueecer, beesta, doo, loar, poboo, seer, e com a nasalação da primeira vogal, quando a consoante sincopada e n, como em cẽa, cõelho, lũa, mõesteiro, pẽa, nasalação que posteriormente desapareceu ou fez surgir outro som, como em devĩar, dĩeiro, vĩo, vizĩa, vizĩo (ĩ antes de a e o), que deram devinhar e adivinhar, dinheiro, vinho, vizinha, vizinho.
  • E tónico, seguido de a, o (cãdea, tea, creo, meo), ainda nao se tinha ditongado. Só mais tarde se desenvolveu o i semi-consoante. O mesmo sucedeu com  antes de a, o (avẽa, de avena-chẽo, de plenu-, deram aveia e cheio).
  • Ao contrário do que sucede com as outras línguas românicas, onde se ditongaram, verifica-se em português, já nos mais antigos textos, a persistência do e e do o tónicos latinos: l. ovu-, port. ovo, esp. [cast.] uevo, it. uovo, fr. ant. uef (mod. œuf); l. petra-, port. pedra, esp. piedra, it. pietra, fr. pierre.
  • O o e o a mudos só apareceram na fase moderna da língua (¹). Estes factos e a nasalação das vogais extremas i, u são também características do português que o distinguem das outras línguas românicas.
  • Conserva-se o i final na 1.ª pessoa do singular do pretérito perfeito dos verbos em -er e -ir (pudi, pugi e pusi, soubi, tivi, pidi, sigui, subi).
  • A vogal pretónica, no futuro e no condicional de alguns verbos, como ferir, guarir, morrer, poer, querer, sair, ter, valer, ver, e vir desaparecera, do que resultaram formas como ferrei [por ferirei] e ferria, guarrei e guarria, morrei e morria, porrei e porria, querrei e querria, salrei ou salrrei e salria ou salrria, terrei e terria, valrei ou valrrei e valria ou valrria, verrei e verria, vẽrrei ou verreivẽrria.
  • Terminavam em -om os nomes que hoje terminam em -ão, depois de passarem pela forma em -am (no Canc. Geral, -am rima com -ão). A uniformização das terminações nasais dos nomes que em latim acabavam em -annu, -ane-, -one-, -udine-, no port. arcaico em -ão (dissílabo), o (monossílabo), e, -am, -õi, ie, -om, deu-se do século XIV em diante, acabando por ficarem todas em -ão. Também terminava em -om a terceira pessoa do plural do perfeito, do mais que perfeito e do futuro dos verbos. Mas a terminação -ão encontra-se já no port. arcaico, como em loução (louçano), são (sano), etc..
  • O ditongo eu era aberto em Deus, eu, meu, seu, teu etc., passando a pronunciar-se fechado do século XIV em diante. O o dos comparativos maior, mor, melhor, mẽor, peor (os únicos comparativos latinos do port. arcaico, como do port. moderno), dos adjectivos em -osa (fremosa, embargosa) e de muitas palavras em -or (arredor, derredor, suor) era fechado, mas passou a pronunciar-se aberto na mesma época.
  • ç, sibilante surda, distinguia-se do s, sibilante surda, como ainda sucede em alguns lugares da Beira e das raias minhota e transmontana, onde ç de paço (´paʃu) e nitidamente diferente de s de passo (´pasu).
  • O s intervocálico, fricativa sonora (coser: ku´ʒer, de connsuere, mesa: ´meʒa, de mensa), distinguia-se do z, também fricativa sonora (cozer: ku´zer, de cocere, azedo: ə'zedu, de acetu-).
  • O ch, explosiva surda, pronunciava-se tʃ, como ainda se ouve ao povo em algumas regiões do país (chave: tʃav, cacho: ´katʃu, mocho: ´motʃu, machado: mə'tʃadu) e não ʃ, como actualmente.


MORFOLOGIA


Nomes


Substantivos


  • Eram uniformes os substantivos em -dor, -tor, -or, como pastor, sabedor, senhor (uma ou outra vez ocorre senhora).
  • Ifante ou iffante era uniforme.
  • Os substantivos em -age ou -agem, de origem francesa, eram muitas vezes masculinos, como linguage, linhage; só do século XVI em diante se deu a mudança de género (personagem usa-se modernamente nos dois géneros).
  • Os substantivos terminados em -om ou -on faziam o feminino em a, a, como infançom, infançõa, infançôa, cochon, cochõa e cochôa, varon, varõa e varôa.
  • Muitos substantivos terminados em -z ou -s, como alferez, ourivez, simplez, cos, hoje invariáveis, tinham então plural (alferezes, ourivezes, simplezes ou simprezes, coses), como ainda sucedia no século XVI.

Adjectivos


  • Os adjectivos terminados no singular em -ês e -ol eram uniformes, como português (cortês e montês eram por vezes biformes), espanhol.
  • Os adjectivos terminados no singular em -um, hoje uniformes, eram biformes, como comum, comũa.
  • Os adjectivos terminados no singular em -el, como movel, razoavel, stavel, aparecem com o plural em -is: movis, razoavis, stavis.
  • O comparativo perifrástico formava-se com mais ou chusmeos ou menostam: mais ou chus molemeos paciẽtetam gloriosa.
  • O superlativo absoluto também se formava com gram: disse a gram alta voz.

Numerais


Cardinais

  • Ũnunũaua, unha; doisdous e dos; cinque e cincodezeseis, etc.; quaraenta quorenta; cinquaenta, sessaenta, sesseenta e sassenta, setaenta e satenta, oitaenta e oiteenta, novaenta e noveenta, cento, cem e cen.

Ordinais

  • Sestoseisto, sestimoseistimoseismo sesmoseitimonovẽo, dezimo, dizimopostumeiro, postreiro.

Fraccionários
  • Meidade, meadade, meo, a sesma.

Multiplicativos
  • Um tantodous tanto, quatro tanto, mil tantodous tamanho, dobrocẽ dobro, etc.

Pronomes


  • Ao lado dos pronomes pessoais ele, mim, migotigo, sigo e do reflexo se, ocorrem as formas el, mimego [l. mecum], tegosegoxe ou xi; o pronome complemento indirecto tem a forma lhilhis.
  • As formas mais antigas de teu e seu, provenientes estas da analogia com meu, são tou [l. tuus] e sou. O feminino de meu era mia (mha) e também ma; por vezes ocorre minha, que em próclise deu nha, que se escrevia enha, inha. Os femininos de teu e seu eram tua e sua, que em próclise deram ta e sa.
  • Além dos demonstrativos modernos, existiam também aquesto, aquesse, esto, esso, aquelo, elo [l. illum] e medês. O artigo definido aparece com as formas lo, la, o, a.
  • Cujo e quejando (mais arc. quejendo) eram pronomes interrogativos.
  • São formas dos pronomes indefinidos do português arcaico as seguintes, que não existem no português moderno: al e algorren, atal e atanto, nulho [l. nullus], quis (alguém), senhos, senlhos e sendos (cada um), já quantojá-quê (alguma cousa), que-quer (qualquer cousa), todo (tudo), camanho, quemquer ou quenxiquer (quem quer). Com significação idêntica à do advérbio pronominal francês en, o português arcaico tem o pronome en, ende. Existia também o pronome homem, omem e ome.

Verbos


  • Vários verbos que pertenciam à terceira conjugação latina (tema em u e tema em consoante) e que hoje pertencem à conjugação em -ir, terminavam em -er, como aduzercaer, confonder, finger. A 3.ª pessoa do singular do indicativo dos verbos pesar, poer, sair, soer tinha respectivamente as formas pês, pon, sal, sol. A terminação da 2.ª pessoa do plural dos verbos, excepto a do pretérito perfeito, que é a actual, era -des. Só nos princípios do século XV começou a perder o d (dizees [l. dicitis], fazees), mantendo-se apenas em alguns verbos de infinito monossilábico, para evitar confusão com a 2.ª pessoa do singular, e nos casos em que está precedido de vogal nasal (tendes, vindes). Os verbos da 2.ª conjugação tinham o particípio em -udo: avudo, conhoçudo (conhocer), deteudo, perdudo, recebudo, temudo. Destas formas há ainda vestígios em conteúdo, manteúdo, teúdo e no nome próprio Temudo.
  • Note-se o emprego do pretérito anterior, sobretudo em orações temporais, para se indicar que em certa altura do passado a acção estava consumada: «Pois que Lançarot ouue feito quanto a caualeyro conujnha, disse» etc., pág. 506 (Demanda do Graal).

Advérbios


  • Entre os advérbios arcaicos, indicaremos: adur (apenas, difìcilmente), agĩa, aginha (azinha, sem demora), alhur (alhures, algures), antano (o ano passado), aquende (aquém), atam (tão), chus (mais, do l. plus, cf. o fr. plus), de chã e de gran (certamente, na verdade), desi (depois), du (onde, donde), eire ou eiri (ontem, cf. o fr. hier [l. heri]), em, en, ende (dai, daqui, cf. o fr. en), endõado (de graça, debalde, sem razão), entonce e estonce (então), meos (menos), nego (senão), ogano  [l. hoc anno] (este ano), oi e oie [l. hodie] (hoje), oimais (doravante), toste (logo, depressa), u (onde).
  • Os prefixos separáveis ar ou er e per reforçam a significação do verbo a que se antepõem, ou, para os dois primeiros, têm o sentido de também.

Preposições


  • São preposições arcaicas: antre (entre), ata, atee, ateem, ates (até), depos (depois), des (desde), encas ou en cas de (equivalente ao fr. chez), ergo (excepto, afora), ontre (entre), pera (para), so (sob), tras [l. trans] (além de).

Conjunções


  • São conjunções arcaicas: ca (comparativa, causal e integrante), ergo ([l.] portanto), macar (embora), mais (mas), mais pero, mas pero, empero, pero (mas, porém, embora), mentre e mentres (enquanto, entretanto), vel ([l.] ou).




SINTAXE


  • O pronome lhi ou lhe usava-se, ao mesmo tempo que lhis e lhes, para o caso em que hoje só empregamos esta última forma: Vos lhi tolhestes os ramos en que sijam, / e lhis secastes as fontes en que bevĩa (Nuno Fernandes Torneol).
  • Como sucede em francês com o pronome on, em português arcaico homem, omem e ome serviam de sujeito indeterminado: «de que nunca oysse homem falar», «par nunca lh'ome pod'achar»; e cf. o provérbio «anda homem a trote para ganhar capote».
  • Era normal o emprego do partitivo do, da, dos, das e de: «depois filhem a calda coada e deytem-lhe do mell e do sall e do azeite», Livro de Alveitaria, de Mestre Giraldo; «as mãaos tomarom de pam para dal-lo aa boca», Livro de Esopo; «e da-lhe da solda cada dia»; «lança-lhe da solda por syma d'aquelle sangue», Livro de Falcoaria; «e el pedio-lhe d'agoa, pela aravia», Lenda de Gaia; «comeria de boa mente de hum pee de porco», Cr. da Ordem dos Frades Menores.
  • O adjectivo possessivo geralmente não era precedido de artigo [cf. port. dop Brasil]: «ouuiu sa senhor»; «filhou rey Ramiro sa molher com sas donzellas», Lenda de Gaia.
  • Nos tempos compostos com ter e haver, o particípio passado dos verbos transitivos concordava muitas vezes com o complemento directo, quer este o precedesse ou não: «tẽção que começada tinhão»; «maldade que aqueles mortos avião feita»; «depois que os el-rey teve uencidos»; «tenho vystos e ouuidos muitos enxempros»; «todos avyam feita esta promessa»; «aviã vencidas as batalhas e conquistas e comarcas».
  • Em orações afirmativas, usava-se por vezes o conjuntivo em vez do imperativo: «Digades, filha, mha filha uelida, / por que tardastes na fontana fria», Pero Meogo; «lembre-te que sam molheres», Jorge de Aguiar.
  • Empregava-se o gerúndio em expressões como: sem saindo (sem sair), non cessam chorando (não cessam de chorar).
  • Quando na frase uma palavra de sentido negativo precedia o verbo, não se omitia a negativa: «nenhũu non veio». Nas frases hoje construídas com nem... nem (conj. copulativa), omitia-se a primeira: «Poys minha triste vẽtura, / nẽ meu mal nã faz mudança», D. João de Meneses.
  • Havia grande liberdade na ordenação das palavras na frase a), não são raros o anacoluto b) e a sínese c), e são frequentes os longos períodos com elementos ligados pela copulativa e, d).
    • a) «e as palavras dictas»; «e dictas as palavras»; «aquelles que enganar podem»; «persoas que useyras podem»; «merçee que lhe Deus faz»; «com grande minha perda», Livro de Esopo, apud Leite de Vasconcelos; «E o que me a esto moveo forom sete cousas», Livro de Linhagens; «Os mais dos dias bem cedo era levantado, e, missas ouvidas, era na Rollaçom ataa meo dia, ou acerca, e viinha come», Leal Conselheiro.
    • b) «Ca ssem rrazom pareçe que aquel que he atormentaado dar-lhi homem outro tormento», Lei de 1211; «devemos catar se este que apelou, se he demandador se demandado», Leis e posturas de D. Afonso III; «Disse Moyses, e disse a verdade, que no primeiro começo, que Deus criara os ceeos, e a terra, e todallas outras criaturas, que criara o homem, e, quando o criou que disse:», etc., Livro da Montaria.
    • c) «toda gente te lança de sy, com nojo que de ti ham»; «a enjuria e vergonça nom he d'aquell que a rreçebe», Livro de Esopo; «a prudencia e discreçom quer obrar acabadamente», Leal Conselheiro.
    • d) «E tomando hum coitello saio fora e indo por os campos achou multidom de porcos que paçiam em hum campo e correeo em pos elles e tomou huum d'elles e com o coitello que levava cortou-lhe hum pee e leixou aly o porco deçepado», Cron. da Ordem dos Frades Menores; «Per algus logares do senhorio de Portugal foi, que lhe disserom que havia hi mulheres de buem logo que nõ haviam onde o vestir houuessẽ, que veria a fazer do seu dano, e mandaua esta rainha filhar peças de panos e mandaua chamar alguma boa dona d'aquela uilla de que ella fiaua, e mandaua a ella que partisse aquelles panos por aquellas moças a que visse que compria; e esto fazia ella escondidamente, segundo sabem alguns e alguas de sa casa», Relação da Vida da Gloriosa Santa Isabel (²).

(¹) E. Bourciez, Éléments de Linguistique Romane, § 334, 4.ª ed., Paris, 1946.
(²) Para a elaboração destas noções sumárias sobre a gramática do português arcaico, servimo-nos de: J. J. Nunes, Crestomatia Arcaica, Lisboa, 1953, e Compêndio de Gramática Histórica Portuguesa, Lisboa, 1919; Leite de Vasconcelos, Lições de Filologia Portuguesa, Lisboa, 1911, e Textos Arcaicos, Lisboa, 1922; D. Carolina Michaëlis de Vasconcelos, Glossário do Cancioneiro da Ajuda, nos vols. XXIII e XXIV da Revista Lusitana, Lisboa, 1920 e 1922; Joseph Huber, AltportugiesischesElementarbuch, Heidelberga, 1933; D. Maria da Piedade C. Mariz de Pádua, A Ordem das Palavras no Português Arcaico, Coimbra, 1960; Epifânio Dias, Syntaxe Historica Portuguesa, Lisboa, 1953. »

Retiradas das páginas 1 a 8 e 777 da 2.ª ed., de 1967, pela Coimbra Editora, Limitada, dos Textos Medievais Portugueses, seleccionados e anotados por Corrêa de Oliveira e Saavedra Machado com o fim de servirem para o estudo da literatura portuguesa medieval no 3.º ciclo dos Liceus, nos termos do respectivo programa outorgado pelo Ministério da Educação Nacional de então, e compostos e impressos nas Oficinas Gráficas da Livraria Cruz, em Braga. Pode ler-se numa nota preliminar dos autores que, «na verdade, modernamente, não se concebe o estudo da literatura de um povo sem se considerar como síntese da vida mental da nação, isto é, relacionado com o conhecimento da cultura coeva ambiental. Como expressão e representação, a literatura reflecte sempre a vivência da língua e da cultura em todas as suas manifestações, nos anseios individuais e gregários que se desentranham da vida colectiva de um povo e de uma época.»

Aqui transcriptas para curiosidade dos leitores, e para melhor entendimento dos textos já publicados ou de futuros.


São Nun'Álvares Pereira de Santa Maria, rogai por nós.
 



 

 http://nascimentosampaio.blogspot.com.br/2013/01/nada-disto-e-novo-caracteristicas-do.html


3 comentários:

  1. Qual foi o melhor blog de 2012? - Vote de hoje até 30/01/2013
    http://www.facebook.com/events/128687543960292/

    Vote em um dos blogs abaixo:

    http://divulcacaoepublicacao.blogspot.com.br/


    http://vidaesaude-nascimento.blogspot.com/


    http://nascimentosampaio.blogspot.com.br/


    http://nascimento-educacao.blogspot.com/


    http://cienciasjuridicas-anisia-nascimento.blogspot.com.br/


    http://meioambiente-ecidadania.blogspot.com/




    Visite o site "Alex Silva Sem Censura" e vote em um dos blogs acima citados. Endereço do site: http://blogdoalex-silva.blogspot.com.br/

    Obrigada,
    Anisia Nascimento

    ResponderExcluir
  2. "Ela virá, a revolução conquistará a todos o direito não somente ao pão mas, também, à poesia”.
    Leon Trotsky
    “As idéias que flutuam no ar, o que é escrito no papel; que são imprimidas ou carregadas pela palavra, não são aquelas que estes senhores temem. O que temem, é a organização, a ação organizada, as tentativas organizadas para realizar estas idéias”.
    Ernest Mandel

    “A alegria não chega apenas no encontro do achado, mas faz parte do processo da busca. E ensinar e aprender não pode dar-se fora da procura, fora da boniteza e da alegria”. Paulo Freire


    "Mera mudança não é crescimento. Crescimento é a síntese de mudança e continuidade; onde não há continuidade não há crescimento." C. S. Lewis



    "O verdadeiro heroísmo consiste em persistir por mais um momento, quando tudo parece perdido”.
    W. F. Grenfek




    A esperança é arma que nos move para continuarmos lutando.
    Anisia Nascimento

    Qual foi o melhor blog de 2012? - Vote de hoje até 30/01/2013
    http://www.facebook.com/events/128687543960292/

    Vote em um dos blogs abaixo:

    http://divulcacaoepublicacao.blogspot.com.br/

    http://vidaesaude-nascimento.blogspot.com/

    http://nascimentosampaio.blogspot.com.br/

    http://nascimento-educacao.blogspot.com/

    http://cienciasjuridicas-anisia-nascimento.blogspot.com.br/

    http://meioambiente-ecidadania.blogspot.com/



    Visite o site "Alex Silva Sem Censura" e vote em um dos blogs acima citados. Endereço do site: http://blogdoalex-silva.blogspot.com.br/
    Obrigada,
    Anisia Nascimento

    ResponderExcluir
  3. “Conhecer é tarefa de sujeitos, não de objetos. E é como sujeito e somente enquanto sujeito, que o homem pode realmente conhecer.”
    Paulo Freire


    "Ela virá, a revolução conquistará a todos o direito não somente ao pão mas, também, à poesia”.
    Leon Trotsky

    “As idéias que flutuam no ar, o que é escrito no papel; que são imprimidas ou carregadas pela palavra, não são aquelas que estes senhores temem. O que temem, é a organização, a ação organizada, as tentativas organizadas para realizar estas idéias”.
    Ernest Mandel

    “A alegria não chega apenas no encontro do achado, mas faz parte do processo da busca. E ensinar e aprender não pode dar-se fora da procura, fora da boniteza e da alegria”. Paulo Freire


    "Mera mudança não é crescimento. Crescimento é a síntese de mudança e continuidade; onde não há continuidade não há crescimento." C. S. Lewis



    "O verdadeiro heroísmo consiste em persistir por mais um momento, quando tudo parece perdido”.
    W. F. Grenfek




    A esperança é arma que nos move para continuarmos lutando.
    Anisia Nascimento

    Qual foi o melhor blog de 2012? - Vote de hoje até 30/01/2013
    http://www.facebook.com/events/128687543960292/

    Vote em um dos blogs abaixo:

    http://divulcacaoepublicacao.blogspot.com.br/

    http://vidaesaude-nascimento.blogspot.com/

    http://nascimentosampaio.blogspot.com.br/

    http://nascimento-educacao.blogspot.com/

    http://cienciasjuridicas-anisia-nascimento.blogspot.com.br/

    http://meioambiente-ecidadania.blogspot.com/



    Visite o site "Alex Silva Sem Censura" e vote em um dos blogs acima citados. Endereço do site: http://blogdoalex-silva.blogspot.com.br/
    Obrigada,
    Anisia Nascimento

    ResponderExcluir